quinta-feira, 6 de novembro de 2014

ONU pede rapidez em investigação da morte de liderança indígena com 35 facadas em MS


06/11/2014                           18:36

Wendy Tonhati

A ONU (Organização das Nações Unidas) divulgou nesta quinta-feira (6), uma nota pública pedindo rigor e rapidez na investigação do assassinato da liderança indígena Kaiowá Marinalva Manoel, de 28 anos. 



O delegado responsável pelo caso, Edmar Batistela, informou ao Jornal Midiamax, que Marinalva não seria uma liderança, mas de acordo com os órgãos ligados à causa indígena a mulher seria uma das defensoras da demarcação da terra indígena Ñu Porã e integrante do Conselho Guarani-Kaiowá Aty Guasu. 

Na nota, a ONU afirma que Marinalva teria recebido ameaças e que “são evidentes os elementos de feminicídio, assassinato de mulheres por razão de gênero”. Já conforme o delegado responsável pelo caso, o assassinato pode ter motivação passional. 

A organização ainda cita a participação da indígena no dia 15 de outubro, em uma comitiva indígena reunida com representantes do Judiciário em Brasília. A nota é assinada pela Representante da ONU Mulheres Brasil, Nadine Gasman. 

Caso 

Conforme o boletim de ocorrência registrado na Depac (Delegacia de Pronto Atendimento Comunitário) de Dourados, a indígena foi encontra na manhã de sábado (1º), na BR-163, sem roupa e com marcas de facadas na região tórax, pescoço, rosto e mão esquerda, que para a polícia significa que a vítima tentou de defender.

Nenhum comentário:

Postar um comentário