sábado, 7 de setembro de 2013

Profissionais se inscrevem no Mais Médicos para atender índios e quilombolas

Imprimir esta página

07/09/2013      20:40

Ministério da Saúde (Informe Publicitário )

A primeira etapa de seleção teve a adesão de 1.618 profissionais, que vão trabalhar em 579 municípios e 18 Distritos Sanitários especiais indígenas.

Ministério da Saúde -   Mais Médicos atenderá índios

O programa  Mais Médicos do governo federal contou com a adesão de profissionais com vontade de conhecer diferentes culturas, ter novas experiências de trabalho e oferecer um melhor atendimento aos pacientes. É o caso da sanitarista Marta Damasco, de 50 anos. 

Nascida no Rio de Janeiro e moradora de Brasília, ela decidiu participar da iniciativa para atender a população do município de Cavalcante, no interior de Goiás, e, ao mesmo tempo, realizar uma pesquisa em antropologia médica sobre as comunidades quilombolas da região. “Além de poder ajudar a população do município, pretendo estudar os hábitos de vida e hábitos alimentares dos quilombolas. 

Acho que tenho muito a contribuir”, afirma. A médica, que já trabalhou na periferia do Rio de Janeiro – Complexo da Maré e Morro do Borel – acredita que a humanização do atendimento é fundamental. 

“A população precisa de tecnologia, medicamentos, hospitais. Mas a tecnologia social é também muito importante, além de mais barata. Ao se aproximar das pessoas, conhecer os hábitos de vida delas, você pode ajudar muito mais”, diz. 

O desejo de melhorar a saúde da população é compartilhado pelo médico Elton dos Santos. Ele optou por trabalhar no Distrito Sanitário Especial Indígena Médio Rio Purus, que fica em Labrea, no interior do Amazonas, próximo à divisa com Acre e Rondônia. Segundo o médico, a expectativa para início do trabalho é muito boa. “Acredito que vamos melhorar o atendimento. Os indígenas merecem”, afirma. 

No distrito, a etnia predominante é a Apurinã, com pouco mais da metade da população total. Mas Santos já atendeu integrantes de diversas tribos indígenas. Especialista em saúde da família e psiquiatria, ele conta que entrou no programa para melhorar as condições de vida dos índios – mesmo motivo que o levou, 15 anos atrás, a sair de Porto Alegre, no Rio Grande do Sul, para trabalhar em municípios do interior amazonense, como Humaitá e Tapauá. 

Homologação

A primeira etapa de seleção do programa Mais Médicos teve a adesão de 1.618 profissionais, que vão trabalhar em 579 municípios e 18 Distritos Sanitários Especiais Indígenas (DSEIs). 

Nesse grupo, há 1.096 médicos que já atuam no Brasil, 358 estrangeiros e 164 brasileiros graduados no exterior. Os profissionais vão atender cerca de 6,5 milhões de usuários do Sistema Único de Saúde (SUS). A maior parte (67,3%) das regiões onde os médicos vão trabalhar está em áreas de extrema pobreza e distritos de saúde indígena. 

Os demais (32,7%) irão atuar em periferias de capitais e regiões metropolitanas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário