sexta-feira, 20 de dezembro de 2013

VÍDEO: Artistas de renome nacional gravam vídeo em apoio aos Guarani Kaiowá de MS


20/12/2013                   20:00

Tainá Jara
 
Artista e ativista de renome nacional gravaram no dia 9 de novembro no Rio de Janeiro vídeo em apoio aos índios Guarani Kaiowá de Mato Grosso do Sul. A gravação foi divulgada nesta quinta-feira (19), por meio do canal Vídeo nas Aldeias, no site Youtube.
 
O vídeo reúne nomes como Camila Pitanga, Wagner Moura, Beth Mendes, Dira Paes, o deputado Estadual, Marcelo Freixo (PSOL-RJ), e Eduardo Tornaghi. Além de ter como trilha sonora a música Um Índio, composta e interpretada ao vivo por Caetano Veloso. A gravação é de 1 minuto e 31 segundos e no decorrer cada participante fala seu nome seguido de “Guarani Kaiowá”, como se todos fizessem parte da etnia.
 
 
 
Ao final, há um texto onde explica brevemente a situação dos índios do Estado e da eminência de um verdadeiro genocídio. A contribuição dos espectadores também é pedida para a campanha de financiamento coletivo para equipar acampamentos sob ameaça para conclusão do documentário “Martírio” que fala sobre a situação.
 
A campanha é feita em uma parceria entre as lideranças do Conselho Aty Guasu e o projeto Vídeo nas Aldeias, que trabalha a produção audiovisual indígena no Brasil. O Conselho Aty Guasu Guarani Kaiowá divulgou nota nesta sexta-feira (20) agradecendo a iniciativa.
 
“A nossa sobrevivência e vidas mais justas e mais dignas no futuro dependem de solidariedade de todos (as) brasileiros (as)”, afirma. Atualmente, um das áreas de conflito mais intensos é a terra indígena Yvy Katu, em Japorã, distante 484 quilômetros de Campo Grande.
 
Nesta semana, a fazenda Chaparral, uma das 14 propriedades que compõem o local, teve reintegração de posse suspensa pelo Tribunal Regional Federal de 3º Região, por meio de seu presidente, desembargador Newton De Lucca.
 
Apesar disto, os índios Guarani Ñandevas afirmam que só estarão satisfeitos após a suspensão de todas as reintegrações de posse da área, declarada como indígena desde 2005.

Nenhum comentário:

Postar um comentário