quarta-feira, 31 de janeiro de 2018

Representações Sobre os Povos Indígenas



31/01/2018                        14:50


Artigo


Por;   Sander Barbosa Pereira



O processo de dominação ainda persiste na forma da colonialidade muito mais do que o colonialismo, mesmo o nosso país já contar com a idade de 516 anos o pensamento eurocêntrico continua vivo e forte no imaginário da maior parte da nossa população brasileira.

E o grande desafio é superar o etnocentrismo ainda que, este estranhamento de uma cultura por razão de outra ainda seja muito forte, pois as representações sobre os povos indígenas ainda é fortemente distorcida do ponto de vista histórico e carece também de um grande entendimento e aprofundamento sobre a realidade indígena em todos os contextos sociais.

No Brasil vários preconceitos foram construídos (inventados) no bojo do projeto colonial, estes se solidificaram com as representações errôneas sobre os povos indígenas, o qual marcou por muito tempo a historiografia ocidental e, particularmente, a brasileira (TROQUEZ, 2005).

Podemos perceber que o modelo eurocêntrico ainda resiste e persiste em pleno século 21, apesar dos avanços das leis vigentes em nosso país e das garantias conquistadas nos artigos da carta magna.

Ao analisarmos o desenho do pequeno Arthur feito no ano de 2014, percebemos o quanto ainda precisamos avançar para superar as representações e estereótipos direcionadas aos povos indígenas em nosso estado de Mato Grosso do Sul e quiçá no Brasil.

Em sala de aula essas representações repassadas aos alunos carecem de maiores informes e aprofundamentos da realidade entre o Índio do passado e o Indígena da atualidade. 

Mesmo com leis avançadíssimas como a 11.645/2008 que substituiu a 10.639/2003, LDBEN 9394/1996, temos ainda os Parâmetros curriculares Nacionais – PCN, que propicia abertura para os temas verticais e transversais que são fortes instrumentos para superar essas representações negativas aos primeiros habitantes desta terra. 

Entendemos que os livros didáticos ainda são uma realidade nas escolas do nosso país e que de fato não mostra a verdadeira realidade destes povos e é importante que os próprios estudantes entendam isso para que possam interagir respeitosamente com toda essa gama de diversidade cultural no Brasil.

Na relação entre professor, conhecimento e aluno sempre existirão a possibilidade de apreensão da dissonância causada pelo estereotipo das representações e de sua correção através de atividades critico-criativas amparadas pelas leis citadas acima.

Penso que corrigir o estigma da desigualdade atribuído às diferenças constitui-se em tarefa de todos, tenho a consciência de que já são numerosos os que contribuem para atingir esses objetivos.

As academias tem hoje um papel fundamental no preparo de professores e a  certeza de que os tempos atuais são propícios para alavancar essas mudanças de forma estrutural.  

Podemos acreditar que é possível fortalecer a formação do professor de ensino fundamental, no sentido de utilizar de forma critica o tão falado livro didático, transformando esse livro em um instrumento gerador de consciência critica por parte dos alunos que iniciam sua jornada na busca de conhecimentos. 

Nota de rodapé


 A citação de (TROQUEZ, 2005) foi colocada para reforçar a argumentação de que esse processo das representações e estereótipos perdura desde o tempo da colonização e resiste até os nossos tempos atuais.





Referências

CALDERONI, Valéria. A.M.O. Desconstruindo Preconceitos sobre os Povos Indígenas, Campo Grande – MS, Maio/2016

Nenhum comentário:

Postar um comentário