segunda-feira, 5 de novembro de 2012

Comissão de Senadores define visita a índios guarani kaiowa de MS

Imprimir esta página
   
05/11/2012       19:20
 
Nícholas Vasconcelos
 
(Foto: Divulgação)
 
Audiência pública no Senado reuniu lideranças indígenas e autoridades do Estado.
 
A Comissão de Direitos Humanos do Senado aprovou na manhã de hoje a visita aos índios guarani kaiowá que vivem em Iguatemi, a 466 quilômetros de Campo Grande. Segundo a assessoria do senador Randolfe Rodrigues (PSOL/AP), que apresentou a proposta na Comissão, a data da visita deve ser marcada a partir da semana que vem.
 
O grupo a ser visitado gerou comoção mundial, depois da divulgação de uma carta em que dizem que vão resistar, até à morte, ao despejo da fazenda Cambará, em Iguatemi. Conforme o senador é necessário acompanhamento mais aprofundado por parte do Senado e do Governo Federal.
 
O senador Eduardo Suplicy (PT/SP) propôs que a presidente da Funai, Marta Maria do Amaral Azevedo, participe da visita e que o Governo do Estado participe do diálogo para que se resolva o impasse. Durante a reunião, o senador Cristovam Buarque (PDT/DF) sugeriu a criação de uma comissão mista de senadores e deputados para acompanhar a demarcação de terras e a posse delas pelos índios.
 
Segundo ele, a Comissão de Direitos Humanos deve atuar como instrumento de equilíbrio e cobrança até a solução do problema. Ele definiu como “hipocrisia” a comemoração da aprovação de políticas de cotas em universidades para indígenas e a falta de “cotas de terras”. Já o senador João Capiberibe (PSB/AP) criticou a demora das decisões dos tribunais sobre as demarcações, apesar de considerar que elas são legítimas.
 
Capiberibe defendeu o levantamento minucioso de todos os processos tramitam no Judiciário para definir as partes envolvidas, as datas que iniciam os processos e áreas onde há conflitos. O senador disse ainda que vai pedir informações ao Ministério da Justiça e ao Ministério Público sobre os inquéritos policiais envolvendo os assassinatos de lideres indígenas guarani-kaiowá e que não avançam “em razão de divergências políticas”.
 
O grupo a ser visitado gerou comoção mundial, depois da divulgação de uma carta em que dizem que vão resistar, até à morte, ao despejo da fazenda Cambará, em Iguatemi.

Nenhum comentário:

Postar um comentário