sexta-feira, 3 de agosto de 2012

Em troca de ‘ajuda’ de fazendeiro, índios mudaram versão sobre morte de Veron

Imprimir esta página
03/08/2012             11:13

  MPF soube da situação e denunciou os envolvidos à Justiça, que acatou o pedido

Nadyenka Castro

Local onde Marcos Veron foi sepultado. Em troca de ‘ajuda’ de fazendeiro, três índios mudaram depoimento sobre o ataque a indígenas ocorrido em Juti, em 2003, que terminou com a morte do líder indígena Marcos Veron.

De acordo com o MPF (Ministério Público Federal), esses índios foram procurados pelo produtor rural e um funcionário em 2005 e mudaram as informações dadas à Polícia Federal logo após o atentado.

As novas declarações em quase tudo diferem dos termos prestados no dia seguinte ao ataque. Um quarto indígena que também foi procurado não aceitou a oferta e contou ao MPF sobre a situação. O MPF apurou as informações e denunciou o caso à Justiça Federal, que acatou.

Segundo o MPF, o índio que não aceitou a oferta contou ao órgão federal que foi procurado três vezes pelo produtor rural, sendo duas pessoalmente e uma por telefone. Em todas as vezes, o fazendeiro dizia que “sabia das dificuldades que passava”, que acreditava que ele era “um menino esperto e sabido” e queria auxílio para tirar “os três coitados” que estavam presos e que, pela ajuda, receberia um “retorno”.

Aos índios que aceitaram a ‘ajuda’, o fazendeiro deu camionete, cestas básicas, motocicleta, casa e dinheiro. Um funcionário dele foi quem ajudou no contato com os indígenas.

Punição - Entre os três que fizeram acordo com o produtor rural, um é adolescente. Os outros dois foram denunciados e vão responder criminalmente por fazer afirmação falsa em inquérito judicial, punível de um a quatro anos de prisão e multa.

Além da condenação dos réus, o MPF solicitou a realização de laudo antropológico – para avaliar o grau de entendimento dos indígenas sobre o ato criminoso - e a autorização para que os índios possam se comunicar em guarani. Os pedidos serão analisados depois da apresentação da defesa dos réus.

O fazendeiro e seu funcionário devem responder pela tentativa, em quatro ocasiões, de oferecer vantagem a testemunha para fazer afirmação falsa em depoimento policial. A pena é agravada por se tratar de prova em processo penal e varia de três a 21 anos de prisão, além de multa.

Ataque - Acampados na Fazenda Brasília do Sul, em Juti, região sul do estado, na área reivindicada por eles como Tekohá Takuara, os kaiowá sofreram ataques nos dias 12 e 13 de janeiro de 2003 por um grupo de 30 a 40 homens armados que foram contratados para agredi-los e expulsá-los das terras.

No dia 12, um veículo dos indígenas com duas mulheres, um rapaz de 14 anos e três crianças de seis, sete e 11 anos foi perseguido por oito quilômetros, sob tiros. Na madrugada do dia 13, os agressores atacaram o acampamento a bala. Sete índios foram sequestrados, amarrados na carroceria de uma camionete e levados para local distante da fazenda, onde passaram por sessão de tortura.

Um dos filhos de Marcos Veron, Ládio, quase foi queimado vivo. A filha dele, Geisabel, grávida de sete meses, foi arrastada pelos cabelos e espancada. Marcos Veron, à época com 73 anos, foi agredido com socos, pontapés e coronhadas de espingarda na cabeça.

Ele morreu por traumatismo craniano. Oito anos após o atentado, três acusados foram a júri popular e acabaram condenados. O julgamento aconteceu em São Paulo. Carlos Roberto dos Santos, Jorge Cristaldo Insabralde e Estevão Romero foram condenados a 12 anos e 3 meses de prisão.

Todos eles já haviam cumprido 4 anos e 8 meses de prisão preventiva e, como a sentença ainda não transitou em julgado, eles saíram em liberdade do tribunal. Os três eram funcionários da fazenda Brasília do Sul e foram condenados por seis sequestros, formação de quadrilha armada e tortura.

 Depois desse julgamento, o MPF passou a trabalhar pela punição dos mandantes do crime, entre eles, o dono da propriedade Jacinto Honório da Silva Filho.

Nenhum comentário:

Postar um comentário