quarta-feira, 10 de agosto de 2011

Seis anos após escândalo mundial, morte de crianças continua alta nas aldeias de MS

Imprimir essa página

Alan de F. Brito, de Dourados

Mais de seis anos depois do escândalo nacional e internacional, em 2005, quando 20 crianças indígenas das Aldeias de Dourados, morreram por desnutrição, o quadro apesar de abrandado ainda assusta. O ano de 200 registrou o dado mais alarmante até então: Foram 141,56 casos de mortalidade infantil a cada mil indígenas nascidos.

A FUNASA – Fundação Nacional de Saúde – divulgou dados de 2010 que mostram queda na mortalidade infantil nas aldeias do município. Foram 32,11 casos óbito. Mas ainda assim a a taxa é bem maior que a brasileira, que não é das menores do mundo.

O índice das aldeias de Dourados está 13 pontos acima da média nacional que é de 19 mortes para cada mil nascidos. Segundo dados, em 2005, o Centrinho de Recuperação Nutricional, ligado a Secretaria Especial de Saúde Indígena (Sesai) da FUNASA, chegou a atender em média 60 crianças com até cinco anos. Hoje apenas seis estão em acompanhamento no local.

As terras indígenas do município de Dourados, localizado a 255 quilômetros de Campo Grande, são compostas principalmente pelas aldeias Jaguapiru, Bororó e Panambizinho onde estão concentrados mais de 14 mil indígenas das etnias Guarani Kaiowa, Guarani Nhandeva e Terena.


Nenhum comentário:

Postar um comentário