sexta-feira, 28 de junho de 2013

Prazo vence, dono pede reintegração imediata e índios ameaçam resistir em Aquidauana

Imprimir esta página

28/06/2013         11:03

Fernanda Kintschner e Mayara Sá

O prazo para que indígenas desocupem a Fazenda Esperança, em Aquidauana, venceu ontem (27) e os proprietários exigem da Polícia Federal a retirada imediata. Em contrapartida, os índios afirmam que não sairão e que se for preciso, vão resistir. 

O risco de novo confronto é grande. No dia 30 de maio deste ano, durante a desocupação da Fazenda Buriti, em Sidrolândia, a 70 quilômetros, o indígena Oziel Gabriel, 34 anos, morreu após ser baleado. 

A PF abriu inquérito para saber de onde saiu o tiro. Outro índio, Joziel Gabriel Alves, 35 anos, foi baleado no confronto com produtores rurais e corre o risco de ficar tetraplégico. Segundo o advogado dos proprietários da fazenda, Niuton Ribeiro Chaves Junior, a partir desta sexta-feira (28), a PF é obrigada a cumprir a ordem judicial.

“Ordem judicial não se discute, se cumpre e até agora nada. Eles entraram com agravo instrumental para cancelar a decisão e até agora não foi apreciada, então o que vale é essa de desocupar hoje”, afirmou. Com a decisão, a Fundação Nacional do Índio (Funai) teve dez dias para retirar os indígenas pacificamente, porém com o vencimento do prazo, o juiz federal Renato Toniasso autorizou uso de força policial. 

“Enquanto eles não saírem de lá meus clientes não estão à disposição de negociar a desapropriação da terra para entrega-las aos indígenas”, concluiu o advogado. 
O outro lado O cacique Izaías Terena afirmou que até o momento eles não foram intimados a sair da fazenda, mas que não estão dispostos adeixar o local. 

“Mesmo que alguém chegar junto com a polícia não vamos sair. Estamos dispostos até para o confronto. Daqui a gente não sai, só se tiver uma decisão que dê a posse da terra para a gente. Senão com certeza vai ter confronto”, afirmou. 













































Jorge Luiz/Reprodução Sua Alternativa

Nenhum comentário:

Postar um comentário