segunda-feira, 3 de junho de 2013

Governo Federal quer suspensão de reintegrações de posse

Imprimir esta página

03/06/2013           15:13

Fonte: Campo Grande news

O Governo Federal acredita que a rapidez com que foi feita a o processo de desocupação da fazenda Buriti, em Sidrolândia, foi culminante para que houvesse conflito e acirramento na disputa entre índios e fazendeiros. 

 A informação foi publicada neste domingo (2) pelo jornal O Estado de São Paulo, que também apontou que presidente Dilma Roussef pediu rapidez aos seus auxiliares nos trabalhos de pacificação no Mato Grosso do Sul.

 Ela teria ficado chocada com a morte do índio Oziel Gabriel. O ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, e o advogado-geral da União, Luís Inácio Adams, foram escalados para articular acordos a partir desta segunda-feira (3), a fim de suspender momentaneamente as reintegrações de posse no Brasil. 

 Com tal ação, o objetivo é acalmar os ânimos das partes envolvidas o mais rápido possível, e buscar com mais calma e tempo soluções para os litígios de terra. Cardozo e Adams devem procurar o Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e o Ministério Público para e analisar em conjunto os casos. 

 Além disso, a ministra-chefe da Casa Civil, Gleisi Hoffmann, deve se reunir com o presidente da CNBB (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil), Raimundo Damasceno, e pedir auxílio da Igreja na pacificação, tanto com os índios, como com pequenos agricultores. 

 Gleisi também vai conversar com a Comissão Pastoral da Terra (CPT) e Cimi (Conselho Indigenista Missionário). Até o final deste mês, as autoridades federais devem concluir o estudo que vai indicar as novas regras para demarcações de terras indígenas. 

 O medo do Governo é que haja novos conflitos que resultem em morte, como aconteceu em Sidrolândia, em que o índio terena Oziel Gabriel, de 35, morreu com um disparo no abdômen na quinta-feira (30) durante a ação de desocupação feita pela Polícia Federal, com apoio do Cigcoe (Companhia Independente de Gerenciamento de Crises e Operações de Especiais).

Nenhum comentário:

Postar um comentário